Graças, porém, a Deus que em Cristo sempre nos conduz em triunfo, e por meio de nós difunde em todo lugar o cheiro do seu conhecimento. Colossenses 1:10

Web Radio Gospel Da Covilha - ((( Portugal))) Sua Amiga De Todos As Horas

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Oração Coluna de Todas as Coisas


 

 Lc 4:1-13



Introdução: Em Lc 22.40 Jesus nos adverte a orar para não cairmos em tentação. Para entendermos melhor, podemos comparar o mundo a uma grande vitrine, recheada com toda a sorte de coisas com o objetivo de atrair nosso olhar e coração. Perceba então, que o mal vem sempre travestido de algo bom. Em 1 Ts 5.22 A Palavra nos ensina a fugir de toda a aparência do mal.


No texto que acabamos de ler, Jesus não se deixou seduzir pelas ofertas apresentadas a Ele. Através da oração e jejum, Ele conseguiu discernir o engano que estava por trás delas. Baseado nesta passagem bíblica vamos entender que alguns danos, certamente nos sobrevirão, se nos deixarmos seduzir pelo mal:



1. Nossa identidade em Deus é atacada - “Se és filho de Deus” - Uma vez que somos de Deus, sabemos quem somos, porque somos, e para que somos. Ou seja, o Pai nos deu um nome, um propósito e um alvo. Entretanto, podemos perder tudo isto se não nos prepararmos em oração e jejum para enfrentar os enganos da vida.

2. Passamos a nos alimentar de algo que parece bom, mas não é - “Manda que esta pedra se transforme em pão” - Este é outro engano muito comum em nossos dias. Existem muitas pedras que foram transformadas em pães, e que estão sendo oferecidas no lugar do pão genuíno que veio do céu, Jesus. Muitas pessoas estão sendo seduzidas pelo mais fácil, por aquilo que parece ser mais lógico, pelo mais convencional, deixando assim de se alimentarem do verdadeiro pão. Elas então, deixam de ir à célula, à igreja, não querem assumir um compromisso com Deus, e desta maneira criam a sua própria religião, ou seja, o seu próprio pão.

3. Deixamos de ver Deus como a nossa suficiência
- “Ao Senhor teu Deus adorarás e só a ele darás culto” - A adoração é a maior evidência de que somos só do Senhor. Quando satanás requer a adoração por parte de Jesus, ele estava propondo a idéia de ser possível servir a dois senhores. Parece que já vimos esta historia acontecer no jardim do Éden. Uma vida de oração nos livra de vivermos uma vida em cima do muro.

Conclusão: Assim como aconteceu com Jesus, se nos sujeitarmos a Deus em oração e resistirmos o mal, ele certamente fugira de nós (Tg 4.7).


Autor: Pr. José Divino de Souza

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

10 Razões Pelas Quais Nossos Jovens Deixam a Igreja



Todos nós sabemos quem eles são: as crianças criadas na igreja. Eram as estrelas do grupo de jovens. Talvez tenham cantado na equipe de louvor ou lideraram o culto. E então… eles terminam o ensino médio e saem da igreja. O que aconteceu?
 


O top 10 de razões pelas quais estamos perdendo nossos jovens:

10. A igreja é “Relevante”

Você não leu errado, eu não disse irrelevante, eu disse RELEVANTE. Nós pegamos a fé histórica, 2 mil anos de fé antiga, a vestimos de xadrez e calças jeans skinny e tentando vender isso como “legal” para nos nossos jovens. Isso não é legal. Isso não é moderno. O que estamos entregando é uma imitação barata do mundo que fomos chamamos para evangelizar.
Como diz o ditado, “Quando o navio está no mar, está tudo bem. Quando o mar entra no navio, aí você tem problemas”.
Não estou me queixando sobre “mundanismo” como um bicho-papão pietista, eu estou falando do fato que nós bocejamos por causa da leitura de um texto bíblico de 5 minutos, mas quase tropeçamos ao correr para bajular uma subcelebridade ou atleta qualquer que faz alguma vaga referência sobre ser cristão.
Nós somos como bajuladores em potencial, apenas esperando que o mundo ache que nós somos legais também, tipo como vocês são, cara!

Nossos jovens conhecem o mundo real e a nossa pose de “olhe como somos legais como você” é facilmente ridicularizada. Em nosso esforço para ser “como eles” nós nos tornamos menos do que realmente somos. O pastor de meia idade tentando parecer que tem 20 e poucos não é relevante. Vista-o com calça jeans skinny e bote na sua mão um café, não faz diferença. Isso não é relevante, é comicamente clichê. No momento em que você tenta ser “autêntico”, você não é mais autêntico!

9. Eles nunca frequentaram uma igreja, para começo de conversa

De um berçário com tema de Arca de Noé, para um painel eletrônico de estádio de futebol no acampamento das crianças, das noites de pizza aos shows de rock, muitos jovens evangélicos foram mimados em uma estufa nem-tanto-igreja, mas nem-tanto-mundo. Eles nunca se sentaram em um banco de igreja entre pais de primeira viagem com um bebê agitado e um idoso com um cilindro de oxigênio. Eles não veem o caminho completo do evangelho por todas as fases da vida. Em vez disso, nós silenciamos a mensagem, aumentamos o volume do som e agimos surpresos quando…

8. Eles ficam espertos

Não é que nossos estudantes “ficam mais espertos” quando saem de casa, o que ocorre é que alguém os trata como sendo inteligentes. Em vez do nosso emburrecimento da mensagem, os agnósticos e ateus tratam nossos jovens como inteligentes e desafiam seu intelecto com “pensamentos profundos” de questionamentos e dúvidas. Muitas dessas “dúvidas” tem sido respondidas, em grande profundidade, ao longo dos séculos de nossa fé. No entanto…

7. Nós os enviamos desarmados

Sejamos honestos, a maioria das nossas igrejas está mandando jovens ao mundo vergonhosamente ignorantes de nossa fé. Como não poderia ser assim? Nós abandonamos o ensino básico das escolas dominicais, vendemos a atitude de “menos doutrina, mais atitude” e os incentivamos a começar a busca para encontrar “o plano de Deus para a vida deles”. Sim, eu sei que nossa igreja tem uma página de “em que cremos” no nosso site, mas é isso mesmo que tem sido ensinado e reforçado no púlpito? Eu tenho conhecido líderes de igreja evangélica (“pastores”) que não sabem a diferença entre justificação e santificação. Já conheci membros de conselho de mega-igrejas que não sabiam o que é expiação. Quando escolhemos líderes baseados em suas habilidades de atrair e liderar pessoas ao invés de ensinar a fé com precisão… Bem, nós não ensinamos a fé. Surpreso? E em vez da fé histórica e ortodoxa…

6. Nós damos porcaria como alimento

Você deu o seu melhor para transmitir a fé interior/subjetiva que você “sente”. Você realmente, realmente, quer que eles “sintam” isso também. Mas nunca fomos chamados a evangelizar nossos sentimentos. Você não tem como passar adiante esse tipo de fé subjetiva. Sem nada sólido para basear sua fé, sem nenhum credo histórico para amarrá-los a séculos de história, sem os elementos físicos do pão, vinho e água, a fé deles está em seus sentimentos subjetivos, e quando confrontados por outras formas de se “sentir bem” propostas pela faculdade, a igreja perde para outras coisas com um apelo muito maior à nossa natureza humana. E eles encontram isso na…

5. Comunidade

Você percebeu que essa palavra está por TODO LADO na igreja desde que a igreja seeker-sensitive e outros movimentos de crescimento da igreja entraram em cena? (Há uma razão e uma filosofia motriz por trás desses movimentos que está fora do escopo desse artigo). Quando nossos jovens saem de casa, eles deixam a comunidade de manufatura na qual passaram toda a sua vida. Com a sua fé como algo que eles “fazem” em comunidade, eles logo descobrem que podem experimentar “mudança de vida” e “melhoria de vida” em “comunidade” em vários contextos diferentes.
Misture isso com uma fé pragmática e subjetiva, e a centésima edição de festa com pizza na mega-igreja local não tem como competir contra escolhas mais fáceis e mais naturalmente atraentes de outras “comunidades”. Assim, eles saem da igreja e…

4. Eles encontram sentimentos melhores

Ao invés de uma fé externa, objetiva e histórica, nós estamos dando aos nossos jovens uma fé interna e subjetiva. A igreja evangélica não está ensinando os catecismos ou os fundamentos da fé aos nossos jovens, nós estamos simplesmente incentivando-os a “serem gentis” e “amarem Jesus”. Quando eles saem de casa, percebem que podem ser “espiritualmente realizados” e ter os mesmo princípios subjetivos de auto-aperfeiçoamento (e sentimentos quentinhos) de algum guru de autoajuda, de gastar tempo com amigos ou fazendo trabalho voluntário em algum abrigo. E eles podem ser verdadeiramente autênticos, e eles podem ter essa chance porque…

3. Eles estão cansados de fingir

No melhor do “sua melhor vida agora”, “todo dia é sexta-feira” do mundo evangélico, há um pouco espaço para depressão, conflito ou dúvidas. Deixe esse semblante de chateação, ou saia daqui. Jovens que estão sendo alimentados com uma dieta estável de sermões destinado a remover qualquer coisa (ou qualquer pessoa) que pragmaticamente não obedece ao “Maravilhoso plano de Deus para a sua vida” e são forçados a sorrir e, como uma antiga música os encoraja, a “baterem palmas” para isso o tempo todo. Nossos jovens são espertos, muito mais espertos do que acreditamos. Então eles proclamam uma mensagem que escutei bastante desses jovens “A igreja está cheia de hipócritas”. Por quê? Porque apesar de que nunca lhes tenha sido ensinado sobre a lei ou sobre o evangelho…

2. Eles conhecem a verdade

Eles não conseguem fazer isso. Eles sabem disso. Todo aquele moralismo de “seja gentil” que eles foram ensinados? A Bíblia tem uma palavra para isso: Lei. E é disso que nós os alimentados, diretamente, desde que os deixamos no berçário da Arca de Noé: Faça/ Não Faça. Quando eles ficam mais velhos começa o “Crianças de Deus fazem/ não fazem”, e quando adultos, “faça isso ou aquilo para ter uma vida melhor”. O evangelho aparece brevemente como algum “faça isso” para “ser salvo”. Mas a dieta deles é a Lei, e a escritura nos diz que a lei nos condena. Então, sabe aquela sorridente declaração de fé “ame a Deus e ame as pessoas”? Sim, você acabou de condenar os jovens com isso. Legal, né? Ou eles pensam que são “pessoas boas”, já que não “fazem” nenhuma das coisas que a sua denominação ensina que não pode fazer (beber, fumar, dançar, assistir filmes adultos), ou eles percebem que eles não atingem as próprias palavras de Jesus sobre o que é necessário. Não há descanso nessa lei, apenas um trabalho árduo que eles sabem que não estão aptos a cumprir. Então, de qualquer forma, eles abandonam a igreja porque…

1. Eles não precisam dela

Nossos jovens são espertos. Eles entenderam a mensagem que nós ensinamos, inconscientemente. Se a igreja é simplesmente um lugar para aprender ensinamentos de vida que os leva para uma vida melhor em comunidade… você não precisa de um Jesus crucificado para isso. Por que eles deveriam acordar cedo no domingo para ver uma imitação barata do entretenimento que eles viram na noite anterior? O pastor de meia idade tentando desesperadamente ser “relevante” para eles, seria engraçado se não fosse trágico. Como nós descartamos o evangelho, nossos estudantes nunca são atingidos pelo impacto da lei, dos seus pecados diante de Deus, e da sua necessidade desesperada da obra expiatória de Cristo. Certamente, ISSO é relevante, ISSO é autentico, e ISSO é algo que o mundo não pode oferecer.

| Autor: Marc Yoder | | Tradutor: Marianna Brandão

Respondendo à Crítica no Casamento

 

Certa vez um homem estava procurando algo em cima do armário de sua esposa, quando descobriu uma caixa que ela vinha escondendo ao longo do casamento. Abriu a caixa, e dentro achou três ovos, junto com trezentos reais. Achou estranho, e perguntou para sua esposa:
"Querida, por que esta caixa? Por que você está guardando três ovos aqui?"
Ela respondeu, "Cada vez que eu quis apontar alguma falha sua e você não me deu ouvidos, eu coloquei um ovo na caixa."
"Puxa" pensou o marido, contente consigo mesmo, "isso não é tão ruim. Somente três ovos em catorze anos de casamento! Mas de onde vieram os trezentos reais?"
 
"Bem", ela respondeu, "cada vez que consegui uma dúzia de ovos, eu os vendi."
Não é fácil receber críticas. Estremece nossa segurança, balança nosso bem-estar. Mesmo assim, a maneira pela qual respondemos à crítica revela muito sobre quem somos--talvez mais do que queremos saber. Nossa resposta à crítica determina se ficaremos estagnados, parados no tempo, ou se realmente vamos crescer individualmente e em nossos relacionamentos familiares.

         Talvez ninguém esteja escondendo ovos de você. Mas será que você sabe receber críticas, e aproveitá-las para seu bem? Você coloca a crítica a seu serviço, ou se torna escravo dela? Não é de surpreender o fato de que a Bíblia fala muito sobre este assunto; só o livro de Provérbios menciona mais de 70 vezes esta marca da pessoa sábia, que sabe ouvir ensino, conselho, repreensão e...crítica! Destes textos e outros podemos descobrir três passos que devemos dar quando criticados, que farão nossos lares muito mais tranqüilos e sábios.                                                  
 
 
 

I. Devemos OUVIR a Crítica que Recebemos

 
Não adianta falar sobre qualquer outro passo a dar ou atitude a ter perante a crítica, antes de darmos ouvidos a ela. Muitas pessoas, talvez a maioria, nem chegam a esse primeiro passo. São os "sabe-tudo" que infelizmente precisam "pisar na bola" várias vezes antes de acordar para a realidade.
Provérbios nos aconselha a OUVIR antes de responder à crítica:
"Responder antes de ouvir, é estultícia e vergonha" Provérbios 18:13
Ouvir caracteriza quem quer crescer e aprender:
"Os ouvidos que atendem à repreensão salutar, no meio dos sábios têm a sua morada." Provérbios 15:31
"Ouve o conselho, e recebe a instrução, para que sejas sábio nos teus dias por vir" Provérbios 19:20

A crítica melhora nosso caráter, e nos prepara para enfrentar novos desafios no futuro. Aponta defeitos que podem prejudicar nosso progresso. Aquele que não sabe receber críticas já parou de crescer!
A crítica serve como as placas de advertência no trânsito. O semáforo amarelo nos adverte "Cuidado! Prepare-se para parar!" Interpretamos "Cuidado! Se não você correr agora, será tarde demais!" Ignorar as placas de advertência pode ser muito perigoso, especialmente no lar. Nenhum relacionamento fracassa de um dia para outro. Sempre há luzes vermelhas que começam a piscar, nos advertindo de que algo está errado. Mas muitas vezes passamos correndo, prejudicando relacionamentos e a nós mesmos.

II. Devemos VALORIZAR a Crítica que Recebemos

Não é fácil, mas precisamos reconhecer que crítica é uma dádiva de Deus. Mesmo quando a pessoa que nos critica não o faz por amor, a crítica serve para nos tornar mais sábios. É um presente de Deus! Provérbios deixa este fato claro:
"Leais são as feridas feitas pelo que ama, porém os beijos de quem odeia são enganosos" Provérbios 27:6
"Como pendentes e jóias de ouro puro, assim é o sábio repreensor para o ouvido atento" Provérbios 25:12
"O que repreende ao homem achará depois mais favor do que aquele que lisonjeia com a língua" Provérbios 28:23

Como já mencionei nesta coluna, anos atrás tive o privilégio de viajar para a África, para uma colônia de pessoas leprosas. Vi os resultados trágicos daquela doença e aprendi a valorizar a dor. A lepra ataca o sistema nervoso, e a pessoa perde sua sensibilidade à dor. Mas ao invés de ser uma bênção (imagine não ter mais dor!), a ausência de dor leva a pessoa a ter feridas graves, perdendo dedos, braços e pernas porque não sente mais aquele alerta de que algo está errado no corpo. O fato é que a crítica dói, e ninguém gosta de dor. Fazemos de tudo para evitá-la. Mas quando fugimos da dor de crítica, corremos grandes riscos de estagnar o desenvolvimento de relacionamentos sadios, especialmente no lar. Precisamos aprender a receber correção, mesmo que doa, como sendo um ato de amor.

III. Devemos Responder Positivamente à Crítica que Recebemos

 
A última resposta à crítica prova se ainda somos pessoas moldáveis ou se já estamos “petrificadas.” Chegamos ao momento da decisão. O que faremos com a crítica que recebemos?Mais uma vez, Provérbios oferece conselho sadio:
 
"O que encobre as suas transgressões, jamais prosperará, mas o que as confessa e deixa, alcançará misericórdia" Provérbios 28:13

"Os ouvidos que atendem à repreensão salutar, no meio dos sábios têm a sua morada." Provérbios 15:31

Tiago acrescenta: "Tornai-vos, pois, praticantes da palavra, e não somente ouvintes, enganando-vos a vós mesmos." Que pena olhar no espelho da Palavra (ou da crítica), ver quem somos, e depois virar as costas dizendo "Sou assim mesmo. E daí?" A crítica é uma marca do amor de Deus em nossa vida! Precisamos andar seguros de quem nós somos em Cristo (Ef 1-3). Assim, descansaremos na soberania de Deus que nos proporciona a crítica para nos manter humildes e ensináveis, pessoas que continuam crescendo na Sua graça.
Quem não vive pela graça de Deus mas, sim, pelo desempenho, está condenada a uma vida de comparação com os outros, ira, desânimo, mentira e fuga. Terá que usar máscaras para fingir ser o que não é. Essa vida hipócrita não é a vida de quebrantamento e humildade constante que o Senhor Jesus requer (Mt 11.28-30). Para realmente crescermos em sabedoria, precisamos recebê-la com um espírito de humildade e gratidão, com dependência total na graça de Deus revelada no perdão de Cristo. Ele sabe que somos pó, e quer transformar esse pó em diamante. Além disso, é a melhor maneira de não acumular uma caixa de ovos em cima do seu armário!

Autor: Pr. David J. Merkh

domingo, 24 de fevereiro de 2013

Gratidão - O Indicador da Maturidade Espiritual

 
Freqüentemente, deixamos de reconhecer e de agradecer a Deus pelas muitas bênçãos e só sentimos a falta quando elas cessam!

Se você conhece a Jesus Cristo como seu Senhor e Salvador pessoal, o texto de Efésios 1:3 deve ser de particular importância:
 
"Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o qual nos abençoou com todas as bênçãos espirituais nos lugares celestiais em Cristo."
Em outra tradução, esse verso diz que Deus nos tem abençoado. Essa forma verbal indica que a ação iniciou no passado. Aqueles que são Seus filhos — que nasceram na sua Família por meio do novo nascimento em Cristo — recebem e retêm essas bênçãos desde o exato momento em que receberam Cristo em seus corações. Observe também que recebemos toda sorte de bênção espiritual nas regiões celestiais! Você crê na Palavra de Deus? Crê que ela é infalível e sem erros? Se crê, então não deverá ter dificuldades em aceitar o fato que cada um de nós tem sido abençoado — e continua a ser abençoado — com o que de melhor o céu tem a nos oferecer.

Não somente somos todos os receptores das bênçãos espirituais além da nossa capacidade de total compreensão, mas todos compartilhamos as muitas bênçãos temporais também — como o sol, a chuva, e o encanto com a beleza natural do planeta. A maioria de nós é cidadão em países relativamente livres, onde podemos viver nossas vidas (pelo menos por enquanto) com pouca interferência do governo e prosperar em proporção direta aos nossos esforços, criatividade e capacidade. Os avanços tecnológicos dos últimos anos facilitaram muito a vida e parece que até o aspecto de ganhar a vida com o suor do rosto foi grandemente reduzido para as massas. Claramente, cada um de nós teria que admitir que quando olhamos para nossas vidas e começamos a contar as bênçãos de todos os dias, verificamos que o número é muito grande — na verdade, elas são tantas que acabamos assumindo que são coisas normais da vida.


Agradeço a Deus por que Ele recentemente me permitiu passar por um marco na minha vida. Nasci pouco mais de sessenta anos atrás em um mundo diferente — um mundo que lutava para se libertar dos dez anos de depressão econômica e que estava na iminência de entrar na Segunda Guerra Mundial. Meus pais eram típicas pessoas nascidas em uma fazenda daqueles tempos e estavam bem acostumados com o trabalho duro e pesado. Lembro que na minha infância, minha mãe dizia que na sua adolescência ela trabalhava tanto na colheita do algodão que desejava a morte no fim do dia. Regar a plantação nos dias quentes e cortar o algodão era um encargo para todos os membros da família. A sobrevivência dependia disso, pois a receita obtida com a venda do algodão manteria a família nos meses de inverno. As roupas das crianças eram feitas com pano de saco, que minha mãe e a mãe dela faziam à mão no "tempo livre". Todos os dias elas se levantavam bem cedo, acendiam o fogo no fogão à lenha e preparavam o café da manhã. (Somente quem já precisou trocar de roupa em uma casa onde não há aquecimento durante os dias de inverno é que pode entender a utilidade do aquecimento central e do ar condicionado!)

Depois que todos estavam alimentados e iam à escola, o almoço precisava ser preparado (as sobras eram cobertas e deixadas na mesa para o jantar, pois não havia refrigeração). O dinheiro era curto e a maior parte do que eles consumiam era produzido na própria fazenda — o que significa que quando era a época de colheita de algum legume, as mulheres tinham de colher, cozinhar e preparar conservas ou enlatados. Lavar roupa também era uma dificuldade — uma grande bacia de ferro era colocada no quintal, enchida com água tirada do poço e depois uma fogueira era acesa embaixo para aquecer a água. As roupas eram então mergulhadas naquela água, ensaboadas e esfregadas para remover as manchas. Em seguida, elas eram retiradas, esfregadas e enxaguadas no tanque. Finalmente, eram colocadas em um varal para secar. Ainda tenho na lembrança a imagem das mãos vermelhas de minha mãe e da minha avó, após lavarem tanta roupa naquelas manhãs de inverno. Enquanto as mulheres estavam ocupadas com essas atividades domésticas do dia a dia, os homens trabalhavam nos campos, rachando lenha, alimentando os animais, consertando os equipamentos e fazendo uma infinidade de outros serviços.

Algumas pessoas chamam aquela época de "velhos e bons tempos", mas honestamente creio que aquela bondade relativa era produzida pela severidade experimentada! Quase todos passavam por dificuldades financeiras e a manutenção do básico da vida requeria trabalho constante. Essa experiência comum produziu dentro de grande parte da sociedade um senso de empatia de uns para com os outros. A polidez e a gentileza eram muito mais comuns do que agora e os direitos da outra pessoa eram grandemente respeitados. Falando de respeito, as mulheres naqueles tempos eram consideradas damas (fossem ou não fossem). Os homens moderavam seu vocabulário quando viam mulheres por perto e procuravam ser cavalheiros, levantando ligeiramente o chapéu como um gesto de respeito ao encontrá-las na rua, abrindo as portas e cedendo seus lugares para que elas sentassem. Hoje, essas atitudes de cortesia são consideradas anacrônicas e algumas mulheres até se sentem ofendidas se um saudosista, como eu, esquecer que os tempos são outros e se atrever a abrir a porta para elas. Perdoe-me, pensei que você fosse uma dama!


Condescendência esta é uma palavra que seguramente será de difícil compreensão para os jovens de hoje! Afinal, praticamente nem conhecemos nossos vizinhos e não temos tempo para nos incomodar com eles! Estamos muito atarefados correndo atrás das nossas ambições de ter dois carros (ou mais) na garagem e uma antena de TV que capte sinais de satélite no quintal! Se entrarem ladrões na casa do vizinho e fizerem uma limpeza lá — é problema deles. Acredite se quiser, houve um tempo — não tão longe assim — quando as pessoas respeitavam e davam valor aos seus vizinhos e faziam qualquer sacrifício para ajudá-los em casos de necessidade. Hoje, ninguém está muito preocupado com os outros — estejam eles bem ou mal! Ser mesquinho hoje é uma virtude e ai do idiota que tentar me ultrapassar na estrada! Amados, nossa sociedade está podre e, como resultado, poucas pessoas agora param para considerar o quanto Deus tem nos abençoado como nação. As maravilhas tecnológicas que facilitam o trabalho permitiram que tenhamos o tempo livre que nossos pais nunca sonharam! Entretanto, em vez de aproveitá-lo, redobramos nossos esforços trabalhando em horas extraordinárias para ganharmos mais e podermos gastar mais! Uma pessoa famosa, cujo nome não me lembro, disse: "Não há esperança para o homem que já está satisfeito". Isso bem poderia ser o lema nacional dos EUA hoje. Estamos correndo de um lado para outro, parecendo formigas que tiveram seu formigueiro destruído, muitos privando-se do sono e outros voando no "piloto-automático" — tentando decidir o que vão comprar em seguida. Poucos parecem satisfeitos com o que já têm e estão literalmente enlouquecendo tentando adquirir tudo. Você vê algo errado neste quadro? Um estudo atento da história revela que estamos no caminho para a destruição. Todas as grandes civilizações humanas nos últimos 6.000 anos cometeram os mesmos erros fatais, até que Deus interveio para destruí-las.


Falando em história, alguma vez já ouviu falar nos "ruidosos anos 20?" Os anos de 1920-1929 foram caracterizados pelo apetite insaciável por diversões e frivolidades. A Primeira Guerra Mundial tinha terminado e as pessoas queriam celebrar. A proibição à venda de bebidas alcoólicas atrapalhou um pouco as comemorações, mas mesmo assim o país caiu na festa. A economia estava robusta como nunca e tudo parecia tranqüilo e promissor. Os analistas financeiros estavam convencidos que o mar estava calmo no horizonte e não poupavam palavras para garantir isso. No entanto, em 29 de outubro de 1929 ocorreu a quebra da Bolsa de Valores. Muitas fortunas desapareceram em questões de horas e muitos analistas financeiros e investidores falidos suicidaram-se saltando do alto dos edifícios de Nova York, temendo enfrentar a realidade. O país mergulhou imediatamente em uma prolongada depressão e o divertimento e a frivolidade dos anos anteriores foram rapidamente esquecidos. Alguns antigos corretores prósperos do mercado financeiro eram vistos vendendo frutas nas esquinas, tentando sobreviver. A euforia dos anos 20 acabou nas duras realidades dos anos 30, que a sociedade teve de enfrentar. Felizmente, naquela época, uma grande porcentagem (talvez a maioria) da população ainda vivia no campo ou em pequenas cidades cuja economia girava em torno da agricultura e da pecuária, de modo que o suprimento de alimentos nunca esteve em risco. Muitas pessoas foram forçadas a procurar seus parentes na zona rural para conseguir comida, mas a vida prosseguiu até que aquelas dificuldades foram superadas. É também interessante observar que durante aquela época houve uma ressurgência da "religião" e as igrejas experimentaram um grande crescimento. Deus tem formas de chamar a atenção do homem.


Hoje, porém, qual é a situação? O mercado acionário nunca esteve melhor e os investidores ganham fortunas diariamente. Os analistas estão otimistas e a mentalidade coletiva é: "Comamos, bebamos e alegremo-nos. Não há nada que possa nos incomodar" Enquanto isso, a sombra pavorosa de um sistema de produção de alimentos altamente centralizado está no segundo plano do quadro atual. Muita da comida necessária é distribuída pelo sistema JIT — "Just in Time", por frotas enormes de caminhões, aviões e outros veículos. Os primos que vivem nas fazendas agora são poucos e estão em uma situação financeira pior do que a nossa. Quando examinamos nossa situação, vemos que em determinado momento passamos a depender excessivamente da tecnologia. Quase todas as atividades em nossas vidas podem ser realizadas apertando-se botões. Muitas pessoas são escravas das bugigangas eletrônicas. Antigamente, quando um rapaz saía pela primeira vez com uma moça, ele perguntava: "Você sabe cozinhar?". Hoje ele pergunta: "Sabe descongelar?".

Alguma vez você já expressou sua gratidão a Deus por viver em uma época maravilhosa como esta? Tem uma remota consciência que a facilidade relativa do seu estilo de vida é superior a que muitos reis tiveram no passado? Já expressei este sentimento antes, em outro artigo, mas irrita-me ouvir o termo "pessoas pobres" ser usado para descrever aqueles em nossa sociedade que são "menos afortunados". Com algumas exceções, as "pessoas pobres" do nosso país são consideradas ricas pela maioria daqueles que vivem em países do Terceiro Mundo. Sei que um número crescente de pessoas está perdendo seu emprego e começando a enfrentar dificuldades, mas vamos ser francos, enquanto tiverem roupas, um teto e comida na barriga — estão em situação muito melhor do que milhões que vivem em outros países. Quantas pessoas neste país são consideradas pobres, mas têm um aparelho de televisão, um carro velho, fumam cigarros e nunca deixam de fazer suas três refeições diariamente? Pense nisto! Lembro da série de televisão "Os Waltons", que mostrava uma família crescendo durante a depressão dos anos 1930 — e quantas dificuldades eles enfrentavam! No entanto, sempre observei que eles possuíam um caminhão velho, uma geladeira na cozinha, uma serraria elétrica, etc.! Acredite-me, qualquer pessoa que naquele tempo tivesse todas essas facilidades estava "bem de vida".


Ficamos tão acostumados com o conforto que perdemos todo o senso de proporção. As pequenas inconveniências tornam-se grandes obstáculos quando a pessoa está mal-acostumada. Paulo, escrevendo para "seu filho na fé", Timóteo, deu alguns conselhos, instruindo-o a que transmitisse a outros:

"Manda aos ricos deste mundo que não sejam altivos, nem ponham a esperança na incerteza das riquezas, mas em Deus, que abundantemente nos dá todas as coisas para delas gozarmos; que façam bem, enriqueçam em boas obras, repartam de boa mente, e sejam comunicáveis; que entesourem para si mesmos um bom fundamento para o futuro, para que possam alcançar a vida eterna." [2 Timóteo 6:17-18].

Você já imaginou o que aconteceria se tivesse de viver como nos anos 20 ou 30, ou até mesmo antes? Sua existência provavelmente dependeria de trabalho árduo diariamente. Sugiro que você separe certo tempo para contemplar essa questão, pois não é algo que não possa voltar a acontecer! Por muitos anos os pregadores estão tentando advertir que o julgamento de Deus está próximo, mas a maior parte das pessoas não quer ouvir, continua se divertindo, sem considerar a possibilidade. Os sinais de advertência estão em toda a parte: a criminalidade e a violência estão crescendo, a feitiçaria agora é reconhecida como uma religião legítima, os governos estão atolados em corrupção, o assassinato dos inocentes no útero materno praticamente entrou na moda e a intolerância ao cristianismo está ficando mais explícita — somente para mencionar alguns sinais sociais.


Em algum ponto no futuro, esta casa de cartas vai desmoronar e, quando isso acontecer, grande será a ruína. Ainda acredito que Deus poupará os cristãos genuínos da maior parte, se não de todo o desastre, por meio do arrebatamento da igreja, mas e se eu estiver enganado? Por outro lado, e se estiver certo e você ficar para trás? Em ambos os casos, alguns de vocês que estão lendo isto provavelmente ficarão face a face com a terrível realidade de lutar apenas para sobreviver. Devido à possibilidade real de isso acontecer brevemente, peço que você pare e analise seu relacionamento com Deus. Você conhece a Jesus Cristo como seu Senhor e Salvador pessoal? Tem certeza de que quando morrer estará com Ele para sempre? Se ainda não tem, exorto-o a confiar nEle hoje e a buscar Sua misericórdia e graça, obtendo o perdão para seus pecados e a salvação da sua alma.


Autor: Pr. Ron Riffe

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

Isaías 40



Texto: Isaías 40:28-31


Introdução.

- A história da águia: Vive 70 anos ( Salmo 90:10 ).

- Aos 40 anos ela passa por uma "crise existencial".

- Precisa fazer algumas coisas para viver mais 30 anos:

1. As unhas cumpridas. Não seguram mais a sua comida.

2. O bico. Fica muito longo, se curva.

3. As asas . Estão envelhecidas e pesadas, prejudicam ela de voar.


A) A águia então tem duas alternativas:

1. Morrer. Pois não pode mais se alimentar. E não voa mais.

2. Passar por uma profunda modificação. Que demora 150 dias.


B) Como acontece o processo de renovação:

1. Voar para um lugar muito alto e ficar só.

2. Bater com seu bico em uma rocha, até ele cair.

3. Esperar nascer um novo bico.

4. Com o novo bico arranca as unhas compridas e velhas.

5. Espera nascer novas unhas.

6. E agora pode arrancar as velhas penas.

7. Espera novas unhas nascerem.

8. Faz o "vôo da renovação".

9. E vive mais 30 anos.

- Isaías 40: 31 "Mas os que esperam no Senhor, renovarão as suas forças subirão com asas como águias... "

Conclusão:

- Aprendendo com às águias, diante dos desafios de MUDAR.

a) Apagar as lembranças do passado.

b) Remover ressentimentos do coração.

c) Melhor nossa auto-imagem. O que Deus pensa de mim? (amado, perdoado, aceito, completo - Por Jesus)

d) Mudar meu modo de pensar. Temos a mente de Cristo.

e) Mudar maus hábitos que estão destruindo nossas vidas e de outros.

- Buscar uma nova vida, uma vida mais plena

- Mas jamais conseguiremos isso POR ESFORÇO PRÓPRIO.

- Só através de Jesus, com Jesus em nós.

terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

O que fazer para que o plano de Deus se torne realidade em sua vida?


Texto: Gênesis 12:1-3

Introdução:

Hoje vamos meditar que assim como Deus tinha um plano com a vida de Abraão, assim também Deus tem um plano em nossas vidas.
O plano que Deus tinha para Abraão incluía cinco aspectos (v. 2 - 3):
 

 

1. Fazer dele uma grande nação.

2. Abençoá-lo.

3. Engrandecê-lo.

4. Fazer dele uma benção para outros.

5. Ser benção para todas as famílias da terra.

Diante disso podemos refletir que:

I. Deus tem um plano especial para nossas vidas.

1. Você não nasceu para ser um fracassado, uma pessoa cheia de complexos, frustrada, ressentida, cheia de temores e angustias.

2. Deus nos fez a sua imagem e semelhança e nos traçou um destino de benção.

II. O que devemos fazer para que o plano de Deus se realize em nossas vidas?

1. Dar a Deus o primeiro lugar em minha vida.

a. Dar a ele o primeiro lugar tem a ver com uma vida de intimidade com Deus. Abraão era homem espiritual. Deus não era algo secundário para ele. Deus não era um estorvo; nem uma religião morta, ERA O PRINCIPAL.

b. Como filhos de Deus precisamos edificar um altar pessoal.

c. Nestes momentos que recebemos DIREÇÃO. Ex. Abraão levanta um altar em...

a) Siquém (Gn 12.7)

b) Betel (v.8)

c) Manre (13:18)

d. Se você coloca Cristo em sua vida como prioridade, é comprovado que todo fracasso se transformará em sucesso e Deus cumprirá seu plano com você.

O que devemos fazer para que o plano de Deus se faça realidade em nossas vidas?

2. Renunciar o pecado

a. Abraão renunciou o pecado quando saiu de Ur (12:1) Era uma cidade pagã, idolatra imoral e sem temor de Deus.

b. Se quiseres que o plano de Deus se cumpra em sua vida deves deixar tudo o que ofende a Jesus.

c. Deus é santo, e não se harmoniza com o pecado. Isaias 59:1-2 “Eis que a mão do SENHOR não está encolhida, para que não possa salvar; nem surdo o seu ouvido, para não poder ouvir. Mas as vossas iniquidades fazem separação entre vós e o vosso Deus; e os vossos pecados encobrem o seu rosto de vós, para que vos não ouça”.

Conclusão:

Amigo, tome hoje a decisão: Entrega a Cristo o primeiro lugar em sua vida e renuncie o pecado. Jesus está te esperando com os braços abertos.

Pr. Aldenir Araújo

Promessa de Deus é coisa séria

 

Texto: Gênesis 18:1-15 - Gênesis 21:1-7

Introdução:
1. Leia Gênesis 18:1-15
2. Deus tem um senso de humor.
a. Ele me fez
3. Exceto quando se trata de suas promessas.
4. Deus leva a sério as suas promessas e espera que façamos o mesmo.

I. Se quisermos experimentar as promessas de Deus, precisamos convidar a presença de Deus (18:1-8)
A. Meu Senhor


1. O Senhor apareceu a Abraão no calor do dia. De repente, três homens apareceram.

2. Um desses homens era o próprio Senhor.

a. A palavra Senhor no versículo 3 é a palavra hebraica Adonai.
b. Esta palavra só é usada no Antigo Testamento para Deus
c. Os três visitantes vieram de outro mundo para trazer uma mensagem a Abraão.

3. No entanto, o aspecto importante nesta passagem, um aspecto que não podemos esquecer, é como Abraão respondeu.


a. Ele pediu ao Senhor para ficar (v. 3)
b. Ele apressou-se a servi-lo (v. 6)
c. Ele preparou uma festa digna de um rei (vv.6-8)
4. Ele sabia que esta era uma visitação do próprio Deus, e ele a tratou de forma preciosa e especial.
B. A presença de Deus
1. No culto de dedicação, nós o tratamos como especial, e nós preparamos uma festa.
2. Nós temos a oportunidade de ter uma visitação de Deus todos os dias.
a. Nós estamos implorando-lhe para ficar?
b. Será que estamos nos apressando para servi-Lo?
c. Será que estamos tratando a presença de Deus como preciosa?


3. Salmo 16:11 Tu me farás ver os caminhos da vida; na tua presença há plenitude de alegria, na tua destra, delícias perpetuamente”.


4. Se quisermos as bênçãos de Deus em nossas vidas, então temos de convidar a presença de Deus.
C. As bênçãos de Deus começam na presença de Deus.

II. Se quisermos experimentar as promessas de Deus temos que leva-las a sério (18:9-15).


A. Por que Sara riu?


1. Então o Senhor perguntou a Abraão porque Sara estava rindo.
2. O Senhor disse-lhe que ele voltaria em um ano e Sara terá um filho.
a. Ele é enfático ao afirmar - "Eu certamente voltarei...”.
b. O Senhor não deixa nenhuma dúvida, isso vai acontecer.


3. Eles eram velhos.

a. Abraão estava com 99 anos
b. Sara aproximadamente 90 anos
4. Quando Sara ouviu isso ela riu.
a. "Sim, é verdade!"
b. O prazer que ela está falando é conceber uma criança.
c. Ilustração: Imagine a avó ter um bebê.

5. O Senhor ouviu a Sara.


a. Por que ela riu?
b. "demasiadamente difícil" também significa "muito extraordinário, muito maravilhoso".

B. A dúvida não leva a sério

1. Sara mostrou sua dúvida quando ela riu.
a. Deus isso é uma piada!
b. Deus você não é capaz!

2. Toda vez que nós duvidamos das promessas de Deus, mostra que não estamos levando a sério.

a. Deus suas promessas são uma piada!
b. Deus você não é capaz!
c. Não acreditamos nelas ou não?


3. Jó 42:2 "Bem sei que tudo podes, e nenhum dos teus planos pode ser frustrado”.

C. Se quisermos experimentar a promessa de Deus, precisamos levar a sério.

III. Se quisermos experimentar as promessas de Deus devemos recebê-las com alegria (21:1-7).

A. “Deus me deu motivo de riso”

1. Leia 21:1-7
2. Ilustração: Feliz é a pessoa que consegue rir de si mesmo. Ele nunca deixará de ser divertido.
3. “E o SENHOR visitou a Sara, como tinha dito, e o Senhor cumpriu o que lhe havia prometido”.

a. Ele interveio milagrosamente e alterou o seu destino
b. Ele também milagrosamente, interveio e mudou o nosso destino.

4. Eles deram o nome de seu filho Isaque.

a. "Riso"
b. Não era um riso de incredulidade e dúvida
c. Era um riso de alegria
d. O nome dele seria uma lembrança da fidelidade de Deus e não a sua incredulidade.

B. “e todo aquele que ouvir isso vai rir-se juntamente comigo”.

1. Nosso riso também pode ser um riso de alegria.

2. Nós temos uma escolha.

a. O riso de desprezo e incredulidade
b. O riso de alegria e de bênção. Salmo 126:2 “Então a nossa boca se encheu de riso e a nossa língua de cânticos. Então eles disseram entre as nações: O Senhor fez grandes coisas por eles".

Conclusão:
1. O que você vai fazer com as promessas de Deus?
a. Rir em incredulidade?
b. Rir de alegria?
2. Você vai convidar a sua presença para receber as promessas?
3. Deus está aguardando sua resposta.

Pr. Aldenir Araújo

O Sonho de Deus








 
Texto: Gênesis 37:1-50:21

Introdução: O sonho de Deus para nossas vidas é sempre maior do que os nossos sonhos. José recebeu um sonho de Deus e estava tão animado que contou a sua família. Mas José aprendeu um monte de coisas sobre o sonho de Deus para sua vida.

Hoje, eu gostaria de compartilhar algumas lições sobre: O Sonho de Deus - Gênesis 50:18

Pode parecer um verso insignificante no momento que você lê, mas é o cumprimento de um sonho de Deus. José viu exatamente isso aos 17 anos de idade, agora, muitos anos depois o sonho se cumpre.

Hoje, vamos olhar para os obstáculos que vêm com o sonho de Deus para nós.

1. Tempo
- A primeira lição é simples:

a partir do momento que Deus lhe dá o seu sonho até que ele se cumpra é para Deus decidir não você. Nós vivemos em uma sociedade de micro-ondas, quando se trata de esperar em Deus, esperar os sonhos ser cumpridos é algo que muita gente não vai fazer. Eles desistem de seu sonho, eles ficam desanimados porque não aconteceu em sua tabela de tempo.

2. Rejeição
- José estava tão animado sobre seu sonho de Deus, mas descobriu que os outros não estavam tão entusiasmados com seu sonho.

Assim, muitas pessoas falham neste ponto, assim quando há rejeição, logo que o seu sonho de Deus se torna impopular, eles descartam o sonho. Os irmãos de José odiavam seu sonho.

3. Tribulação
- José agora passou por uma fase que muitos não querem enfrentar, ele foi jogado em um poço, vendido como escravo por causa de seu sonho de Deus.

Sempre haverá tribulação entre você e seu cumprimento. Se os sonhos de Deus fossem fáceis, não seriam sonhos de Deus. Quanto maior o sonho, maior a tribulação para chegar lá.

4. Provas
- A mulher de Potifar - ela queria que José cometesse adultério com ela.

Aqui está uma grande parte de cada sonho de Deus, você será provado em sua carne, antes de você chegar ao seu destino espiritual. Deus sempre mata a carne ao longo do caminho. A parte de você que não vai morrer é a parte de você que vai mantê-lo a partir do seu sonho de Deus.

5. Faraó reconheceu o Espírito de Deus em José. Gênesis 41:38

Você pode tentar com todas as forças chegar ao seu sonho de Deus, mas o fato permanece, porque Deus é quem faz você chegar lá.

Não é por força, não é por violência, mas pelo meu Espírito, diz o Senhor.

6. Quando Jacó morreu, os irmãos de José temiam que ele fosse puni-los por tudo o que tinha acontecido. 50:21

Aqui está a chave mais importante para alcançar o seu sonho de Deus.

Você não pode deixar nada estragar o seu espírito. Você não pode ser abençoado por Deus, enquanto pronuncia maldições sobre os outros.

José nunca permitiu falta de perdão, amargura, entrar em seu coração.

Conclusão:

O sonho de Deus é maior do que os seus sonhos. O sonho de Deus é a única coisa que irá satisfazer a sua alma. Não deixe nada e nem ninguém roubar-lhe o sonho de Deus.

O poder das nossas escolhas

E Elias se chegou a todo o povo, e disse: Até quando coxeareis entre dois pensamentos? Se o Senhor é Deus, segui-o; mas se Baal, segui-o. O povo, porém, não lhe respondeu nada. (1 RS 18:21)
Visite: Gospel +, Noticias Gospel, Videos Gospel, Musica GospelEscolhas: somos produtos delasEscolhas: somos produtos delas
Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de odiar a um e amar o outro, ou há de dedicar-se a um e desprezar o outro. Não podeis servir a Deus e às riquezas.(Mt 6:24)

Sabemos que em tudo na nossa  vida  nós passamos por escolhas. E as escolhas fazem parte da nossa vida. A vida é cheia de escolhas. Escolhemos desde a roupa que iremos nos vestir até o curso que iremos fazer. Escolhemos nossos relacionamentos, nossas amizades, nosso cônjuge e etc..
Enfim, os caminhos da vida são feitos de decisões e escolhas.

E o que você é hoje é consequência das escolhas que você fez no passado.
Sendo assim as escolhas que você fizer hoje, também mudará o seu futuro.
Por exemplo, o fato de estar  lendo este artigo foi uma escolha que você fez.
E também a questão de prosseguir em  ler é uma decisão somente sua.

Eu não sei qual foi a sua motivação em ler este texto, porém , o que sei é que o importante não é a motivação de ler que vai fazer a diferença para você , mas é sua decisão de praticar o que se lê é o que muda a sua vida.

Assim também é a Palavra de Deus para aquele que pratica.
Nesse estudo veremos que aquilo que muitas vezes pensamos, seja certo ou errado, influencia nas nossas escolhas. E como nossas decisões influenciam a nossa vida.

E as Escrituras em muitos de seus textos relatam exemplos de escolhas que mudaram vidas e  destinos. E através desses exemplos podemos também tirar algumas lições para as nossas próprias escolhas. Abaixo alguns exemplos de escolhas:

1)A escolha pelo pecado da desobediência – Desde o principio da humanidade vemos que o Senhor nos deu o livre arbítrio de escolher. Porém o Senhor nos direciona sempre a obedecer a sua voz, porque da mesma forma que Ele dos deu a escolha certa, também nos dá a sabedoria para poder escolher da melhor maneira.

No Éden , os pais da humanidade foram instruídos por Deus a comerem de toda árvore , mas a NÃO comerem da árvore do conhecimento do bem e do mal qu, ue estava no meio do jardim. (Gn 3:3).
Porém, foi justamente essa árvore que eles comeram, ouvindo assim a voz da serpente (satanás). Em três afirmações da serpente a Eva vemos a indução de Satanás.

Na primeira afirmação ele disse:
“E assim que Deus disse: Não comereis de toda a árvore do jardim?” (Gn 3:1)
Nesta primeira afirmação vemos o inimigo colocando “DÚVIDA” a palavra de Deus.
Na segunda afirmação ele disse:
Então a serpente disse a mulher: “Certamente não morrereis”.

Nesta segunda afirmação ele colocou “DESCONFIANÇA” a ordenança divina e a aliviou a consequência da transgressão. O diabo disse: “Se comerdes é CERTO que não morrereis”. (Gn 3:4).
Muitas vezes as bandejas que o inimigo oferece visa nos ludibriar e desconfiar de Deus para que não obedecemos

Na terceira afirmação o inimigo declarou:

Porque Deus sabe que no dia em que dele comerdes, se abrirão os vossos olhos, e sereis como Deus sabendo o o bem e o mal (Gn 3:5).
Nesta afirmação o inimigo aguçou a “CURIOSIDADE” de Eva, para que ela pecasse. É assim que o inimigo ainda faz , ele coloca curiosidade para que a pessoa caia e com isso deixe de ter comunhão com Deus.

Vemos nestas três afirmações que o inimigo através da serpente induziu que eles fizessem a escolha errada. Ele fez com que eles pecassem colocando dúvida, desconfiança e curiosidade a eles.

Queridos, existem basicamente 3 fases da tentação e do pecado que geram:

A DÚVIDA com relação a palavra de Deus
a DESCONFIANÇA diante das suas promessas.
a CURIOSIDADE daquilo que escondido(oculto).

Através disso, o Diabo introduziu a humanidade a incredulidade e a desobediência.

Creio que o maior pecado que cometemos é quando não cremos no que diz o Senhor.
E é isso que inimigo quer, que não creiamos em Deus, nem que obedeçamos seus mandamentos, para que nossas decisões sejam precipitadas e nossos caminhos sejam tortuosos. O inimigo sabe que se fizermos escolhas erradas, isso vai influenciar toda a nossa vida.

Queridos, diz as Escrituras que há um caminho que ao homem parece direito, mas o fim dele são os caminhos da morte.
(Pv 14:12).

Também diz que o salário do pecado é a morte.(Rm 6:23).

Apesar disso, sempre existe uma solução vinda de Deus. A palavra de Deus diz que “ se pecarmos temos um advogado diante de Deus(1 Jo 2:1), porém não devemos usar isso como regra, mas como uma excessão. Devemos procurar sempre fazer o certo.

Devemos, portanto, entender as consequências de nossas escolhas. Não podemos ficar em cima do muro no que se refere a escolhas importantes.

Temos o livre arbítro de escolher o melhor, embora sempre tendenciamos a escolher o errado e pecar. Devemos decidir em que lado devemos ficar e saber das consequências que isso acarreta.
Devemos decidir em que caminho devemos seguir e quem nós iremos servir.

Pois assim diz as Escrituras que aquele que é nascido Dele não vive pecando,mas aquele que permanece Nele é a divina semente.

Este não pode viver pecando. Aquele que vive pecando não o viu e não o conheceu(1 Jo 3:6;9).
E nisso são manifestos os que são e os que não são Filhos de Deus.(1 Jo 3;10).

Deus não ouve a pecadores e as nossas transgressões fazem separação entre nós e o Senhor, mas diz a palavra de Deus que se alguém é temente a Ele e faz a sua vontade ele ouve(Jo 9:31; Is 59:2

O céu e a terra tomo hoje por testemunhas contra ti de que te pus diante de ti a vida e a morte, a bênção e a maldição; escolhe, pois, a vida, para que vivas, tu e a tua descendência,amando ao SENHOR teu Deus, dando ouvidos à sua voz, e achegando-te a ele; pois ele é a tua vida, e o prolongamento dos teus dias; para que fiques na terra que o SENHOR jurou a teus pais, a Abraão, a Isaque, e a Jacó, que lhes havia de dar(Dt 30:19-20)
Visite: Gospel +, Noticias Gospel, Videos Gospel, Musica Gospel
2) A Escolha de obedecer e andar pela Fé – Diz as Escrituras que Abraão não conhecia a Deus, mas resolveu ouvir a Deus em obediência pela fé a um lugar que Deus mostraria. Diz as Escrituras que pela fé Abraão, sendo chamado, obedeceu, saindo para um lugar que havia de receber por herança; e saiu, sem saber para onde ia.(Hb 11:8).

Deus quer que façamos a Sua vontade indo a um lugar que Ele deseja. Na verdade , Deus tinha um propósito na vida de Abraão. Deseja que saiamos da nossa “zona de conforto” desse mundo e andemos de fé em fé e de glória em glória. Diz as Escrituras que Abraão creu contra a esperança, conforme o que o Senhor tinha lhe dito(Hb 4:18). Diz as Escrituras que não duvidou da promessa de Deus por incredulidade, mas foi fortificado na fé, dando glória a Deus(Rm 4:20). Deus não se agrada daqueles que retrocedem ou que ficam “em cima do muro”.

Pois assim diz a palavra de Deus:

“Mas o justo viverá da fé; e, se ele recuar, a minha alma não tem prazer nele” (Hb 10.38).
Abraão estava certíssimo de que aquele que lhe prometera, ou seja, Deus também era poderoso para fazer. (Hb 4:21).

Deus não somente promete , mas cumpri as suas promessas. Ele é fiel em todas as suas promessas.(Hb 10:23b)

“Porque quantas são as promessas de Deus, tantas têm nele o sim; porquanto também por ele é o amém para glória de Deus (2 Cor 1:20)

Diz as Escrituras que palavra nenhuma falhou de todas as boas palavras que o Senhsor falara(Is 21:45).
Muitas vezes as nossas escolhas exigem renunciar algo. Abraão estava pronto para sacrificar seu filho Isaque , mas cria que Deus ira prover o cordeiro. Isso é andar por fé. Em compensação no Novo Testamento o jovem rico queria seguir com fé em Jesus, mas não quis abdicar de sua riqueza.

 Jesus foi bem claro ao dizer: Se alguém quer vir após mim, a si mesmo se negue, tome a sua cruz e siga-me.(Mt 16:24). Era como se quisesse dizer: “Se você tem fé abdique de sua vida, siga-me e viva a minha”. Pelo menos o jovem rico se decidiu. Ele não coxeou entre dois pensamentos.

A expressão “coxear” significa inclinar-se para um lado e outro, ou seja, firmar passos de uma lado do que o outro. É um coração dividido, que quer viver para Deus e ao mesmo tempo para o mundo.
O povo de Israel vivia uma vida dúbia querendo a Deus, mas também os prazeres que o pecado lhe proporcionava.

E hoje são muitas as pessoas que vivem desse jeito.
Muitos querem Deus, mas não abdicam de sua idolatria , de seus ídolos, que não são especificamente de pedra e madeira como outrora, mas são o poder, a posição social, a aparência e as posses materiais . Seu ídolo pode ser sua ambição, seu egoísmo, sua altivez ou seu pecado oculto.
Ídolo é tudo aquilo que tira Deus do centro. É tudo aquilo que tira Deus do coração do homem.
Porque do coração ?

Jesus disse que é dentro do coração do homem é que procede os pensamentos maus que são: mortes , adultérios, furtos, prostituição, falsos testemunhos e blasfêmias(Mt 15:19).

Você é aquilo que pensa. Salomão diz que aquilo que imagina a sua alma, você será(Pv 23:7).

Há pouco tempo, morreu uma famosa cantora americana, que começou no evangelho , mas escolheu andar por um mundo de fama, poder e reconhecimento humano. Acabou caindo em drogas. Suspeita-se que sua morte foi devida a uma overdose de drogas.

Embora cantasse músicas a respeito de Jesus, e sua alma clamasse por Ele, ela escolheu a quem servir no tempo que viveu aqui.

Tiago diz que aquele que tem ânimo dobre, que fica entre dois pensamentos, é inconstante em todos os seus caminhos (Tg 1:8).

Diz também que a amizade do mundo é inimiga de Deus. Se você é amigo do mundo é INIMIGO DE DEUS. (Tg 4:4).

O próprio Tiago recomenda a largar de uma vida dupla, de uma vida enganosa. Diz o apóstolo :
Achegai-vos a Deus, e ele se chegará a vós. Alimpai as mãos, pecadores; e, vós de duplo ânimo, purificai os corações.(Tg 4;8).

Por isso, devemos deixar de muitas vezes sermos inconstantes, agitados por ventos desse mundo. Devemos ter um só pensamento que é em Deus.

Paulo diz: Pensai nas coisas que são de cima, e não nas que são da terra;(Cl 3:2).

Quanto ao mais, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, nisso pensai” (Fp 4.8).

Pense nisso ! Deus deseja todo nosso coração. Diz as Escrituras que Espírito que em nós habita tem ciúmes (Tg 4:5)

Por isso, amado, pense bem antes de escolher qual caminho a seguir. Escolha seguir alguém que nunca irá lhe decepcionar. Alguém que “escolheu” morrer você.(Jo 3:16).

Escolha viver para Deus por Cristo. Alguém que escolheu fazer a vontade de Deus. Tenha fé e escolha seguir “sem reservas” a Jesus.

Peça sabedoria a Ele e confie Nele.

Então sua escolha será certa. Como Maria escolha a melhor parte (Lc 10:42).

Faça a sua escolha e fique firme na sua decisão, pois assim diz o Senhor:

“O Senhor conservará em perfeita paz aquele cujo propósito está firme”.( Is 26.3. )

domingo, 17 de fevereiro de 2013

Ouça a Palavra de Deus

 
“Permaneça em vós o que ouvistes desde o princípio. Se em vós permanecer o que desde o princípio ouvistes, também permanecereis vós no Filho e no Pai” (1 Jo 2.24).
O escritor da Carta aos Hebreus exorta seus leitores no capítulo 2.1-4: “Por esta razão, importa que nos apeguemos, com mais firmeza, às verdades ouvidas, para que delas jamais nos desviemos. Se, pois, se tornou firme a palavra falada por meio de anjos, e toda transgressão ou desobediência recebeu justo castigo, como escaparemos nós, se negligenciarmos tão grande salvação? A qual, tendo sido anunciada inicialmente pelo Senhor, foi-nos depois confirmada pelos que a ouviram; dando Deus testemunho juntamente com eles, por sinais, prodígios e vários milagres e por distribuições do Espírito Santo, segundo a sua vontade”.

Anteriormente, o capítulo 1 menciona como Deus fala: “Havendo Deus, outrora, falado muitas vezes e de muitas maneiras, aos pais, pelos profetas, nestes últimos dias, nos falou pelo Filho, a quem constituiu herdeiro de todas as coisas, pelo qual também fez o universo” (Hb 1.1-2). Nos versículos seguintes segue um impressionante louvor ao Filho de Deus. O autor escreve que Deus criou o mundo por intermédio dEle (v.2), que Ele é o resplendor da glória de Deus e a expressão exata do Seu ser (v.3), que Ele é muito mais sublime que os anjos (v.4) e muitas coisas mais. Hebreus 1 nos aprofunda na grandiosidade de Jesus Cristo de uma forma maravilhosa. É um louvor pleno, uma ampliação de Colossenses 2.3, onde Paulo escreve que em Jesus Cristo “todos os tesouros da sabedoria e do conhecimento estão ocultos”.

Muitas pessoas buscam a sabedoria. Filósofos e fundadores de religiões são citados e enaltecidos por sua sabedoria. Especialmente as religiões orientais com suas técnicas de meditação e suas experiências de auto-revelação gozam de muita popularidade e são consideradas exemplares e dignas de imitação por nossa sociedade. Mas o que não se reconhece é que toda essa pretensa sabedoria humana perde o brilho e a cor quando comparada à sabedoria que está oculta em Jesus Cristo.

Ouvir o que Deus fala através de Jesus

 
No capítulo 2 da Carta aos Hebreus, a ênfase é que escutemos o falar de Deus por meio de Jesus Cristo – e obviamente pratiquemos o que ouvimos. Afinal, devemos ser não apenas meros ouvintes mas praticantes da Palavra de Deus (Tg 1.22). Apenas ouvir não basta, é o que nos diz Lucas 11.28: “Bem-aventurados os que ouvem a palavra de Deus e a guardam!” Guardar a Palavra é colocá-la em prática. Se você ouvir o tiro de largada e continuar parado, jamais conseguirá ganhar a corrida – mesmo que ouça muito bem a ordem de partida.

Esse é um ponto em que, infelizmente, muitos cristãos têm problemas. Eles lêem e ouvem a Palavra de Deus, mas não a cumprem. O escritor da Carta aos Hebreus, inspirado por Deus, enfatiza como é importante guardar o Evangelho que nos foi confiado: “Por esta razão, importa que nos apeguemos, com mais firmeza, às verdades ouvidas, para que delas jamais nos desviemos” (Hb 2.1).

A Bíblia, a Palavra de Deus, é o parâmetro normativo para a nossa vida inteira. Para nós cristãos a Bíblia é aquilo que o livro de bordo significa para um maquinista de trem. Se o maquinista não se atém ao plano de viagem, o caos se instala em todas as linhas e estações da ferrovia. Conforme as circunstâncias, toda a rede pode ficar paralisada. Cedo ou tarde acaba acontecendo a mesma coisa com cristãos que pensam não precisar de um guia para o caminho, que prescindem das Sagradas Escrituras. Em algum momento de suas vidas eles naufragarão na fé e o trem de suas vidas descarrilhará ou tomará o rumo errado.

Eu pergunto: Você é cristão? Você apenas se chama assim, ou quer viver como crente? Então leia, ouça e aja segundo a orientação da Bíblia – a Palavra de Deus. Sem essa Palavra todos nós corremos o risco de nos desviarmos e de errarmos o alvo, como nos avisa Hebreus 2.1. E qual é o alvo supremo da vida cristã? A glorificação de Deus em Seu Filho Jesus Cristo e por meio dEle. Assim, Pedro escreve: “...para que, em todas as coisas, seja Deus glorificado, por meio de Jesus Cristo” (1 Pe 4.11). Para alcançar concretamente esse alvo, precisamos permanecer na Palavra e não nos desviar dela, nem à direita, nem à esquerda.

Independentemente do assunto em questão, é importante ouvir e, principalmente, agir segundo aquilo que a própria Bíblia diz. O que as pessoas dizem não é importante. É completamente irrelevante o que eu lhe digo. Mas aquilo que a Palavra de Deus lhe diz é de importância vital. Podemos aprender das outras pessoas, podemos aprender de seus comentários, de suas pregações e análises. Tudo isso pode e deve nos ajudar bastante, mas não substitui a Palavra de Deus viva. Cada sermão, cada comentário ou o que quer que seja pode ser um complemento precioso para entendermos melhor o que a Bíblia nos diz. Mas todas essas ajudas devem nos conduzir à Palavra, jamais substituí-la. Isso está completamente fora de cogitação.

Por isso os mórmons não podem estar certos, uma vez que consideram o Livro de Mórmon mais do que a Palavra de Deus. Eles têm o manual errado – e encontram-se no trilho errado. Pela mesma razão também encontramos tantas heresias na igreja católica, pois ela preza suas doutrinas eclesiásticas, seus dogmas e sua tradição mais do que a Palavra viva de Deus. E essa também é a razão de tantos problemas nas igrejas reformadas, pois elas estão mais ocupadas consigo mesmas do que com a Palavra de Deus. Toda igreja, toda denominação, precisa se perguntar: “O que é relevante para nós? A tradição, a doutrina da nossa igreja, o dogma, o afago do próprio ego ou a Palavra de Deus?”

Timóteo já foi exortado com insistência a ater-se à Palavra: “E tu, ó Timóteo, guarda o que te foi confiado...” (1 Tm 6.20). Paulo não escreve: “Ó Timóteo, guarde-me em boa memória”. “Ó Timóteo, pense naquilo que lhe falei”. Não, ele diz: “Timóteo, guarde o bem que lhe foi confiado – guarde a Palavra de Deus!” Essa palavra é verdadeira e confiável. E essa Palavra aponta para o Único Salvador (1 Tm 1.15).

A Palavra de Deus, a Boa-Nova, é eterna: “Passará o céu e a terra, porém as minhas palavras não passarão” (Mc 13.31). “Pois fostes regenerados não de semente corruptível, mas de incorruptível, mediante a palavra de Deus, a qual vive e é permanente. Pois toda carne é como a erva, e toda a sua glória, como a flor da erva; seca-se a erva, e cai a sua flor; a palavra do Senhor, porém, permanece eternamente” (1 Pe 1.23-25). Que lástima ver que, para alguns cristãos, a palavra de alguém tem mais peso do que a eterna Palavra de Deus, que tem valor para sempre e é verdadeira e viva.

Não importa nem um pouco se essa Palavra nos agrada ou não; se seu texto é belo, lírico, poético, histórico ou interessante. O que está em jogo é muito, muito mais do que isso, pois desta Palavra – da Sagrada Escritura – depende a vida ou a morte, o céu ou o inferno. Pois a fé, sem a qual ninguém é salvo, vem da Palavra (Rm 10.17).

Portanto, a Bíblia é um livro importante para a nossa vida, ele é ainda mais, ele é vital. Por isso, é de partir o coração quando vemos um livro tão precioso todo empoeirado, amarelado, rasgado ou sendo queimado. Quem faz isso está se comportando como um psicopata que atira no médico porque pensa poder fazer uma cirurgia em seu próprio coração.

Com toda a importância e todo o significado desse livro não precisamos nos admirar com o fato de a Carta aos Hebreus nos exortar com ênfase, mas também nos incentivar a permanecer nesta Palavra e a guardar o que o Senhor nos revelou por Seu falar. Guarde isto muito bem: você pode confiar cem por cento nessa Palavra, você pode confiar plenamente, sem duvidar e sem questionar, porque ela é a Palavra de Deus.

Você talvez esteja desesperado, arruinado, solitário ou desalentado? Agarre-se à Palavra de Deus, que diz, por exemplo: “Em tudo somos atribulados, porém não angustiados; perplexos, porém não desanimados; perseguidos, porém não desamparados; abatidos, porém não destruídos; levando sempre no corpo o morrer de Jesus, para que também a sua vida se manifeste em nosso corpo” (2 Co 4.8-10). Existem muitas outras promessas: “Vinde a mim, todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei” (Mt 11.28). Com certeza você já ouviu essas promessas dezenas de vezes. Talvez até consiga recitar muitas passagens bíblicas de cor. Mas também crê nelas? Você as guarda no coração? Faça isso, pois a Palavra de Deus é válida eternamente. Seu consolo e suas promessas, sua fidelidade e seu amor são também para você, especialmente quando você não vê nenhuma saída para sua situação.

Em Hebreus 2.2 está escrito:
“Se, pois, se tornou firme a palavra falada por meio de anjos...” O que isso quer dizer? Que palavra foi anunciada por meio de anjos?

Vejamos Atos 7. Ali Estevão faz sua defesa diante do Sinédrio. E se reporta à história de Israel: “Foi Moisés quem disse aos filhos de Israel: Deus vos suscitará dentre vossos irmãos um profeta semelhante a mim. É este Moisés quem esteve na congregação no deserto, com o anjo que lhe falava no monte Sinai e com os nossos pais; o qual recebeu palavras vivas para no-las transmitir” (At 7.37-38).

O que foi dado pelo anjo a Moisés no monte Sinai? As tábuas da Lei (comp. v. 53). Paulo diz: “...foi promulgada por meio de anjos, pela mão de um mediador” (Gl 3.19). Já vimos que o capítulo 1 da Carta aos Hebreus afirma que Jesus é superior e mais excelente que os anjos. Sem entrar mais a fundo no assunto da Lei em si, não posso deixar de dizer: a Palavra do Filho – que é a Boa-Nova, a mensagem da graça – é muito melhor, muito mais valiosa do que a palavra de anjos – que é a Lei. Em outras palavras, Jesus é muito superior aos anjos, significando que a graça é melhor do que a Lei!

Nosso texto diz que toda e qualquer transgressão da Lei trazia consigo o seu justo castigo: “Se, pois, se tornou firme a palavra falada por meio de anjos, e toda transgressão ou desobediência recebeu justo castigo” (Hb 2.2). A Lei mostrava às pessoas: “Vocês não podem encontrar a salvação a partir de si mesmos. Isso é impossível! Todos vocês são culpados diante da Lei. Todos vocês serão esmigalhados diante da Lei e receberão o salário do pecado – que é a morte”. E essa é a razão e o alvo da Lei: mostrar ao homem a necessidade de reconhecer seus pecados e de dar meia-volta e mudar de rumo.

A Lei já apontava para a necessidade de um Substituto, disposto e capaz de expiar nossa culpa e pagar o salário do pecado em nosso lugar. E quem é esse Substituto, esse Salvador? Essa Pessoa é o tema não apenas da Carta aos Hebreus, mas de toda a Escritura. Esse Substituto apto e disposto a realizar a expiação dos pecados da humanidade e a dar-lhes a salvação eterna não é outro senão Jesus Cristo, o Unigênito Filho de Deus!

Hebreus 2.1-4 diz ao homem que ouve a Palavra de Deus, àquele que tomou conhecimento do caminho da salvação: “Como você é tolo se desprezar esta salvação!”

Dê ouvidos à Palavra de Deus! Ouça e pratique essa Palavra! Tolo é quem não o faz! É como alguém que está se afogando e não agarra a bóia salvadora pensando que se salvará por seu próprio esforço. Em sentido inverso, é válido o que diz João 8.31-32: “Disse, pois, Jesus aos judeus que haviam crido nele: Se vós permanecerdes na minha palavra, sois verdadeiramente meus discípulos; e conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará”.

Mais uma vez eu pergunto: Você é cristão? Você permanece na Palavra? Guarda esta Palavra e vive segundo os seus ensinos? Ou você vive para si mesmo? Se pararmos para pensar apenas no que acarretava, na Antiga Aliança, não obedecer à palavra transmitida por meio de anjos, ou seja, à Lei, que conseqüências fatais deverá trazer consigo o desprezo pela Palavra do Filho, que é muito superior aos anjos!
 
Ouvimos o Filho, e agora temos de nos orientar por Sua Palavra. A própria Escritura nos desafia a ler, estudar e incorporar o que diz, nos incentiva a agir segundo seus preceitos e a ficar arraigados e firmes nela (2 Jo 9; Pv 4.13). A Palavra de Deus, a Sagrada Escritura, é seu guia, seu manual, o roteiro da sua vida.

Você pode chamar-se cristão. Pode ser batizado. Pode ir ao culto de vez em quando ou até à reunião de oração. Você pode se considerar uma boa pessoa. Mas você é um bom cristão? Será que não existe alguma coisa na sua vida que não está de acordo com o seu manual? Talvez você argumente que esses deslizes são bagatelas, que não são coisa séria. E ainda por cima pensa que não pode perder a salvação, já que você é cristão. Eu não faço a menor idéia do que lhe espera na eternidade, mas sei muito bem o que a Palavra de Deus espera de você hoje, aqui e agora: “Segundo é santo aquele que vos chamou, tornai-vos santos também vós mesmos em todo o vosso procedimento, porque escrito está: Sede santos, porque eu sou santo” (1 Pe 1.15-16). “Amados, exorto-vos, como peregrinos e forasteiros que sois, a vos absterdes das paixões carnais, que fazem guerra contra a alma, mantendo exemplar o vosso procedimento...” (1 Pe 2.11-12).

O que Deus espera de nós? Uma vida vivida segundo a Sua vontade, uma vida que honra o nome do Senhor, uma vida que contribui para que o Nome do Pai e do Filho sejam glorificados. Você atinge esse alvo tão elevado? Ó Deus, como é tolo quem não guarda a Tua Palavra! Por isso, animemo-nos uns aos outros a permanecer firmes nessa Palavra, a levá-la a sério e a obedecer o que ela diz, cumprindo tudo o que nos foi confiado nas páginas da Bíblia! Ela é a Palavra viva de Deus, o prumo da nossa vida.

Ouça a Palavra de Deus, creia na Palavra e guarde-a em seu coração. Esteja enraizado nela, e a coroa da vitória lhe está garantida!
| Autor: Thomas Lieth

Família Cristã


OS PROPÓSITOS DE DEUS PARA A FAMÍLIA

A família foi estabelecida por Deus como a unidade básica da sociedade, pois toda família necessita de um dirigente.
O casamento é uma instituição divina. Foi a primeira instituição criada por Deus antes que o pecado viesse ao mundo.
A Bíblia ensina que o casamento é uma aliança entre um homem e uma mulher para uma união indissolúvel. Portanto, é mais que um contrato civil ou uma exigência social.

CONCEITOS DE FAMÍLIA

Visão Sociológica: “Um grupo social caracterizado pela residência comum, pela cooperação econômica e pela reprodução” (Dicionário Houaiss).

Outros:

“Unidade de pessoas em interação, valores, crenças, conhecimentos e práticas, formando laços de interesse, solidariedade e reciprocidade, com especificidade e funcionamento próprios”.

“Pessoas ligadas entre si pelo casamento e pela filiação ou, excepcionalmente, pela adoção.”

“A família é o núcleo natural e fundamental da sociedade e tem direito à proteção da sociedade e do Estado” (Declaração Universal dos Direitos Humanos – ONU – 1.948, art. XVI, “1” e “3”).

“Unidade grupal na qual se desenvolvem três tipos de relações pessoais:

a) Aliança (casal) – Matrimônio. “Serão dois numa só carne” (1Co 6.16)
b) Filiação (pais e filhos) – “Vós filhos, sede obedientes a vossos pais (...) E vós pais, não provoqueis a ira a vossos filhos, mas cria-os na doutrina e admoestação do Senhor” (Ef 6.1,4)
c) Consanguinidade (irmãos) – “Aquele que ama a seu irmão está na luz, e nele não há escândalo” (1Jo 2.10)

COISAS INDISPENSÁVEIS PARA A CONSTRUÇÃO DO LAR

Há, pelo menos, três coisas que são indispensáveis para a construção de uma casa:

1) Quem a edifica - “Se o Senhor não edificar a casa, em vão trabalham os que a edificam” Sl 127.1

2) Onde ela está edificada - “É como homem prudente que edificou sua casa sobre a rocha.” Mt 7.24

3) O material usado na construção: “Se alguém constrói sobre esse alicerce usando ouro, prata, pedras preciosas, madeira, feno ou palha... O fogo provará a obra de cada um.” (1Co 3.10-15)

A Bíblia mostra que “Se o Senhor não edificar a casa, em vão trabalham os que edificam” (Sl 127.1).

Somente Cristo Jesus, como o grande artífice do lar, poderá salvá-lo das intempéries do mundo. Um lar edificado por Cristo poderá enfrentar tempestades, ventos fortes, ondas bravias, mas ele não será abalado, (Mt 7.24,25). O Senhor o protegerá e o acolherá. “Pois toda a casa é edificada por alguém, mas Deus é o edificador de tudo” (Hb 3.4)

OS ATAQUES À FAMÍLIA E AOS VALORES

Estamos vivendo uma época de profundas mudanças em todos os seguimentos da sociedade. O mundo atual vem passando por um momento de crise multidimensional, cujas facetas afetam vários aspectos da vida como: a saúde e a qualidade de vida, as relações sociais, a economia, a tecnologia e a política.

Em decorrência dessa crise e devido às mudanças culturais e de comportamento advindas da pós-modernidade a família sofreu, nessas últimas décadas, sérios ataques que abalaram profundamente sua estrutura.

Os ataques surgem de diferentes áreas como mídia (falada e escrita), internet, escola entre outras. Infelizmente a verdade e os valores morais e espirituais vêm sendo substituídos pelo engano e o relativismo.

Como o cristão deve proceder frente a essa realidade? Quais são os seus maiores desafios? Que cuidados este deve ter para não tornar-se vítima dessa situação?

O LAR E A FORMAÇÃO DE VALORES MORAIS E ESPIRITUAIS

A criança nasce desprovida de juízo moral. O recém-nascido possui apenas uns poucos instintos: sugar, respirar, engolir, gritar, etc. Pouco a pouco ela começa a aprender a distinguir o que é certo e errado, o que é bom ou ruim. Os pais têm um papel fundamental nesse processo.

VALORES CRISTÃOS são princípios, leis ou normas que regem a vida cristã fundamentados na Palavra e no caráter de CRISTO.

VALORES IMPOSTOS PELA SOCIEDADE

A família foi instituída por Deus como agente educador. Ela transmite a herança cultural e social – linguagem, usos, costumes, valores, crenças - preparando os filhos para o ingresso na sociedade.

Atualmente vem ocorrendo uma alteração na estrutura familiar.

AS TRÊS COLUNAS DE SUSTENTAÇÃO DO LAR


Há três coisas básicas que consideramos como colunas de sustentação do lar: A maturidade, a comunicação e o amor. Sem esses elementos o relacionamento familiar torna-se prejudicado.

A Bíblia destaca os cuidados que se deve ter na construção da uma casa.

Devemos nos preocupar com a segurança do nosso lar. A maturidade, a comunicação e o amor, são ingredientes indispensáveis para mantermos o lar bem estruturado e seguro.


A HARMONIA DO LAR


A harmonia é um conceito clássico que se relaciona aos ideais de beleza, proporção e ordem. A harmonia surge da união de vários elementos que formam um todo organizado. Numa construção esta junção de elementos serve como adorno.

VIRTUDES QUE GERAM HARMONIA NO LAR

Há vários elementos que geram harmonia no lar; dentre eles está a sabedoria, a temperança e a capacidade para perdoar.
A VIDA EM FAMÍLIA

O lar se torna harmonioso quando existe disciplina e regras. É dever dos pais: criar, educar, dar segurança material e afetiva, formar valores, disciplinar, estabelecer limites, estimular a autoestima, a autonomia, a independência. Uma casa bem administrada precisa de regras e o estabelecimento de limites.

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES BÁSICAS EM RELAÇÃO À DISCIPLINA

O sucesso da disciplina depende do cuidado, do respeito e da proteção dos pais em todas as etapas de desenvolvimento dos seus filhos. É necessário saber se aquilo que estamos exigindo é condizente com a fase de maturidade do filho.


Texto extraído do livro Família Cristã (CETADEB 2ª Edição Maio/2010)

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

A Maldição de Família

Nestes dias difíceis em que a Igreja enfrenta a invasão das seitas, do ocultismo e da Nova Era, sem contar a crise de integridade, uma nova crise de identidade, se abate sobre o povo evangélico brasileiro.
Um dilúvio de novas teologias, fenômenos e práticas espirituais invade a comunidade evangélica, atingindo proporções tais que exigem um posicionamento definido da liderança.
O evangelho é simples, mas muitos pregadores estão ensinando outro evangelho que tem trazido divisão no corpo de Cristo - são os ensinos da Confissão Positiva, da Saúde e da Prosperidade, Espíritos Territoriais, Maldição de Família, Cura Interior e uma ênfase excessiva na Batalha Espiritual.

A Nova Teologia da Maldição de Família
Este ensino diz que muitos problemas que o cristão enfrenta, sem obter soluções adequadas, são devidos a uma maldição que acompanha a família pôr causa das práticas abomináveis a Deus, como a idolatria, feitiçaria ou pacto satânico, etc. Realizadas pôr algum antepassado. Portanto, é necessário descobrir dentro da árvore genealógica o antepassado que tinha o problema. Muitos sãos os textos usados para defender esta doutrina, como em: Êx. 20:5; Lv 26:39; Nm 14:18; 23:8; Dt 30:19.

O Significado de Bênção

 
Seria ter um bom emprego, uma boa casa, uma saúde de ferro, um bom carro? O significado bíblico de bênção é estar em comunhão com Deus. Abençoar não é apenas dizer: "Te abençôo em nome de Jesus"- é socorrer os irmãos nas suas dificuldades. (I Jo 3:18; Tg 2:15,16).

O Significado de Maldição

 
Dentro do ensino das maldições hereditárias, seria palavras negativas que pronunciamos contra alguém. Seria também - espíritos - que acompanham nossas famílias e objetos de nossos antepassados que temos em casa trazendo todo tipo de desgraça.
Biblicamente, poderíamos dizer que a origem de toda a maldição reside no pecado. Maldição é uma sentença que vem da desobediência a Deus (Gn 3:19; Rm 5:12). Maldição é estar longe de Deus, separado do Criador (Êx. 34:1; Dt 27 e 28; Is 28:7-13; 29:1-10; Jr 7:1-15; Ml 1:8-14).

Perguntas originadas pela Doutrina

  • Preciso desenhar uma árvore genealógica da família para resolver os problemas da minha vida?
  • Tenho que saber de que maneira determinados assuntos eram ventilados em minha família (violência, adultério, alcoolismo, prostituição, etc.)
  • Qual seria a relação entre meus problemas e os pecados dos meus antepassados?
  • Como posso quebrar uma maldição lançada sobre minha família?
  • E a oração de confissão pelos pecados dos antepassados?
  • É possível uma pessoa colocar uma maldição sobre outra?

Conclusão:

Este é um ensino que escraviza. Cristãos que antes estavam vivendo uma vida de alegria e dando frutos na obra do Senhor estão agora vivendo em escravidão, pois passaram a pensar que as dificuldades que enfrentam na área emocional, nas tentações ligadas ao sexo, alcoolismo, dinheiro, depressão, doenças ou qualquer outra situação adversa, são resultado dos pecados dos antepassados que hoje, estão afetando sua vida. Ora, estes problemas, enfrentados pelo cristão, têm a ver com o fruto do Espírito e santificação e não com os pecados dos antepassados.
O que se atribui a espíritos de alcoolismo, prostituição, homossexualismo, etc., na verdade, segundo a Bíblia, são apenas obras da carne (Gl 5:19-21). É possível vencê-los pôr meio da vida no Espírito (Gl 5:16; I Co 6:9-11).
Cristo se fez maldição pôr nós e os efeitos espirituais da rebelião e ódio contra Deus foram totalmente quebrados (Jo 8:32,36; Rm 8:33-39; I Jo 2:1,2; 3:8), e o sangue de Jesus é suficiente para libertação total. Não temos que quebrar mais nenhuma maldição. (Hb 7:25; I Jo 1:7,9; Ap 1:5).

Notas

1. Robson Rodovalho. Quebrando as Maldições Hereditárias . Goiânia: Koinonia Comunidade e Edições Ltda , 3 edição , p. 10
2. Idem, p. 10
3. Souza, Autilino Batista de. Tomemos Posse. São Paulo "ABS" Edições Evangélicas, 1992, p. 33
4. Linhares, Jorge. Bênção e Maldição. Venda Nova : Editora Betânia, 1992, 2 edição , p. 8
5. Hickey, Marilyn. Quebre a cadeia de Maldição Hereditária. Rio de Janeiro - ADHONEP, 1988, contracapa.
6. Linhares, Jorge. Op cit, p. 20
7. Gondim, Ricardo, O Evangelho da Nova Era. São Paulo : Abba Press, 1993, p. 113.
8. Idem, p. 113.
9. Linhares, Jorge. Op. cit., p.16
10. Rodovalho, Robson. Op. cit., 28, 29.
11. Hickey, Marilyn Op. cit., p. 51.
12. Gondim, Ricardo. op. cit., p. 111.
Autor: Pr Joaquim de Andrade