"Não se aparte da tua boca o livro desta lei antes medita nele dia e noite"Josué1:8


terça-feira, 15 de abril de 2014

Por que os evangélicos não fazem o sinal da cruz?

A origem do sinal da cruz

A origem do sinal da cruz é desconhecida. Provavelmente foi feita pela primeira vez na testa dos que estavam sendo batizados. Parece que as pessoas começaram a realizar esse ritual durante as primeiras liturgias, em seguida, levada à prática para a vida cotidiana.
Com o tempo, essa prática tornou-se um simbolismo do cristão até o protestantismo. Baseado em descrições iniciais, podemos inferir que o gesto era realizado com um dedo traçando um T ou um X na testa . Possivelmente, os primeiros cristãos tomaram como sugestão de Gênesis 4:15, Ezequiel 09:04, e Apocalipse 14:01 e 22:04. Em seguida, o gesto tomou formas mais elaboradas, com dois dedos usados ​​para indicar as duas naturezas de Cristo ou três dedos para indicar a fé na Trindade.

Embora a origem do sinal da cruz seja obscura, é evidente que os primeiros cristãos viram isso como uma parte integrante de uma tradição antiga, pois fora mencionado por Tertuliano cerca de 200 depois de Cristo e depois por Basílio, o Grande por volta de 350 depois de Cristo.
Com isso em mente, entendemos que não é algo dos dias de hoje, ou seja, esse “rito” vem sendo realizado no mínimo por mais de 1700 anos.

O significado do sinal da cruz

Tertuliano descreveu que os primeiros cristãos realizavam esta prática em suas atividades normais do dia-a-dia na tentativa de consagrar todos os aspectos de sua nova vida em Cristo.
A cada passo dado, ao entrar e sair, quando colocamos nossas roupas e sapatos, quando tomamos banho, quando nos sentamos à mesa, quando acendemos as lâmpadas, no sofá, no banco, em todas as ações ordinárias da vida diária, traçamos na testa o sinal. (De Corona Capítulo 3)
Dois séculos mais tarde, Cyril (c. 310-386), patriarca de Jerusalém, exortou os catecúmenos a incorporar o sinal da cruz na vida cotidiana. A ideia era não ter vergonha em esconder a sua fé em Cristo, mas para ser testemunhas ousadas para Cristo fazendo o sinal da cruz publicamente.

O sinal da cruz e o protestantismo

No Confissão escocesa de 1560 – Capítulo 20 foi feito um comentário sobre a necessidade de mudar as cerimônias “supersticiosas.” Na Segunda Confissão Helvética (1566) Capítulo 27 havia uma desaprovação mais explícita.
Não há nenhuma proibição contra o uso do sinal da cruz como um protestante. No entanto , não há mandamento bíblico para usá-lo também.
O protestantismo tem como premissa se basear apenas na Bíblia, deixando tradições humanas de fora do cotidiano, por essa razão acabou sendo difundida a ideia de que o sinal da cruz não é necessário e não tem um objetivo, o que de fato é verdade.

Conclusão

Embora exista uma controvérsia de pensamentos em relação a esse assunto, acredito que o respeito a religião do próximo pode ser respeitada nesse caso, não existem motivos suficientes para quem faz repreender quem não faz e vice-versa. Porém devemos ter cuidado com ritos, e misticismo para que não coloquemos fé no ato, mas apenas em Cristo.

Fonte: Bíblia comentada