Graças, porém, a Deus que em Cristo sempre nos conduz em triunfo, e por meio de nós difunde em todo lugar o cheiro do seu conhecimento. Colossenses 1:10

Web Radio Gospel Da Covilha - ((( Portugal))) Sua Amiga De Todos As Horas

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

Das Cinzas Para a Vida

E disse: Um certo homem tinha dois filhos;
12 - E o mais moço deles disse ao pai: Pai, dá-me a parte dos bens que me pertence. E ele repartiu por eles a fazenda.
13 - E, poucos dias depois, o filho mais novo, ajuntando tudo, partiu para uma terra longínqua, e ali desperdiçou os seus bens, vivendo dissolutamente.
14 - E, havendo ele gastado tudo, houve naquela terra uma grande fome, e começou a padecer necessidades.
15 - E foi, e chegou-se a um dos cidadãos daquela terra, o qual o mandou para os seus campos, a apascentar porcos.
16 - E desejava encher o seu estômago com as bolotas que os porcos comiam, e ninguém lhe dava nada.
17 - E, tornando em si, disse: Quantos jornaleiros de meu pai têm abundância de pão, e eu aqui pereço de fome!
18 - Levantar-me-ei, e irei ter com meu pai, e dir-lhe-ei: Pai, pequei contra o céu e perante ti;
19 - Já não sou digno de ser chamado teu filho; faze-me como um dos teus jornaleiros.
20 - E, levantando-se, foi para seu pai; e, quando ainda estava longe, viu-o seu pai, e se moveu de íntima compaixão e, correndo, lançou-se-lhe ao pescoço e o beijou.
21 - E o filho lhe disse: Pai, pequei contra o céu e perante ti, e já não sou digno de ser chamado teu filho.
22 - Mas o pai disse aos seus servos: Trazei depressa a melhor roupa; e vesti-lho, e ponde-lhe um anel na mão, e alparcas nos pés;
23 - E trazei o bezerro cevado, e matai-o; e comamos, e alegremo-nos;
24 - Porque este meu filho estava morto, e reviveu, tinha-se perdido, e foi achado. E começaram a alegrar-se.

Lucas 15:11-24



O que nós aprendemos nesta parábola de Jesus? Deixar Deus fora de nossas vidas sempre resultará em desapontamentos, como pobreza “espiritual, relacional e física”.

Entendendo a parábola: Um pai tem dois filhos. A rebelião do filho mais novo ao exigir a sua herança (11,12) e desperdiçá-la (13). Ao passar fome, ele se vê forçado a comer a comida dos porcos que alimenta (14-16). Ele cai em si (17). Toma a decisão de voltar arrependido (18,19). O pai o recebe de braços e coração abertos (20,21). O pai prepara uma festa de celebração pela volta do filho e comemora a ocasião (22-24). Nesta parábola Deus é representado pelo pai e este revela como Ele é em Seu caráter ou natureza, em relação a filhos que contra Ele se rebelam.

Deus nos dá a liberdade para tomarmos decisões insensatas. Sem o menor juízo, o rapaz pede a sua parte da herança porque queria realizar seus sonhos pessoais. Ao longo da nossa leitura nós vimos como Deus estava fora dos seus caminhos. Ele foi imoral e irresponsável.

Por algum tempo, Deus permite que nós desfrutemos os prazeres de uma vida desregrada. O rapaz foi para longe de casa para seguir suas paixões. (15:13) Por que o pecado é agradável?
- Porque tudo o que é proibido gera muita curiosidade e desejo.
- Porque momentaneamente, cumpre um desejo pessoal e traz uma satisfação imediata.
- Porque viver no erro é prazeroso, mas esse prazer durará pouco tempo.

Por que nós sempre estamos colocando Deus para fora de nossos planos pessoais?
- Porque nós sempre no concentramos em desejos imediatos.
- Porque nós nos esquecemos das as bênçãos que já desfrutamos.
- Porque nós deixamos de considerar as consequências de escolhas erradas.

Essa parábola nos adverte que quando deixamos Deus de fora das nossas decisões mais importantes e dos nossos planos pessoais, tudo pode se transformar em cinzas. Espiritualmente falando, as cinzas são os restos da desobediência e rebeldia. Viver afastado de Deus pode parecer atraente e prazeroso, mas isso conduzirá a pessoa à destruição.

A Bíblia ensina: '26 Pense bem no que você vai fazer, e todos os seus planos darão certo. 27 Evite o mal e caminhe sempre em frente; não se desvie nem um só passo do caminho certo.' (Pv.4:26,27 NTLH) No entanto, como nós poderemos nos manter no caminho certo? Observando a inclinação que Deus nos dá: 'As pessoas podem fazer seus planos, porém é o SENHOR Deus quem dá a última palavra.' (Pv.16:1 NTLH) Isso é o temor do Senhor. 'Para ser sábio, é preciso primeiro temer a Deus, o SENHOR. Os tolos desprezam a sabedoria e não querem aprender.' (Pv.1:7 NTLH)

Quando nós deixamos Deus de fora dos nossos planos pessoais, somos conduzidos a situações desfavoráveis e que conflitam com o nosso caráter cristão. Um sentimento de tristeza cresce dentro de nós, ao percebermos que tudo de bom que recebemos do “Pai” está sendo perdido e mais, nos alimentamos com uma dieta estranha a um filho de Deus. A seguir, passamos a considerar as consequências temporais e eternas. Nossas cinzas!

Só há uma saída, voltar aos braços do “Pai”. Nós servimos a um Deus que é Pai e Ele está sempre pronto para receber com alegria e perdão, aqueles que precisam de restauração. Porque Deus é assim, nós podemos ter Nele esperança, mesmo quando partes de nossas vidas viraram cinzas! Porém, Deus é Justo e Ele não promete retirar as consequências de nossas más escolhas, mas nos reveste com a possibilidade de um recomeço.

Para aquele que está reduzido a cinzas, cujos danos internos são visíveis e devastadores, por meio de Jesus, Deus promete restaurá-lo internamente, a fim de que ele saia de seu estado de morte. (...) 25 Jesus afirmou: Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, ainda que morra, viverá; 26 e quem vive e crê em mim nunca morrerá. Você acredita nisso? (Jo.11:25,26 NTLH)


Autor: Pr. Walter de Lima Filho

Nenhum comentário:

Postar um comentário